quarta-feira, 14 de maio de 2008

A fuga de branca



Diante da fuga da gata (Branca) da minha amiga Dri, fiquei a pensar sobre o comportamento dos gatos, dos cachorros e da gente, gente de ser humano mesmo. Branca, a tal gata fujona, apareceu hoje, no jardim do prédio vizinho, assustada, pelo que eu fiquei sabendo ainda por alto. Adriana foi resgatá-la e Branca mordeu a própria dona, fugindo novamente. Pensei no motivo desse comportamento de Branca. Certamente ela não tem inteligência e ideologia suficiente para estar querendo demonstrar sua necessidade de liberdade ou alguma revolta com Adriana. Na verdade ela foi movida pelo instinto selvagem dos gatos que fazem deles criaturas mais difíceis de serem domesticadas que os cães, principalmente quando não castrados e sujeitos ainda aos instintos sexuais que, como já dizia Freud, é um dos mais potentes pra fazer a gente se movimentar. Branca, apesar da comida fácil, da proteção e do carinho certos da casa de Adriana, preferiu se aventurar no desconhecido em busca de um parceiro para cruzar. Talvez movida também por um instinto caçador, no qual eu não acredito muito, pois acho que esse instinto já deve ter sido suplantado pela ração wiskas de cada dia. Apesar de não descartar totalmente a segunda possibilidade pois, como eu já mencionei, acredito que gatos são mais difíceis de serem domesticados que os cães e talvez mesmo a comidinha certa, no pratinho certo não tenha apagado de Branca a necessidade instintiva da caça. Acredito ainda, seguindo essa mesma linha de raciocínio, que os cães são mais domesticáveis porque são mais “neuroticáveis” que os gatos. Para deixar minha situação ainda mais difícil, afinal estou pensando alto sem base científica, política, mística ou qualquer outra “ítica” existente, formulei a seguinte hipótese: o preço da inteligência é a neurose. Explico. Os cães são mais neuróticos porque são mais inteligentes que os gatos, ou melhor, possuem uma inteligência cognitiva mais aguçada e mais apropriada para uma adequação à civilização. Os gatos possuem os instintos menos passíveis de domesticação ou neurotização porque também possuem uma maior dificuldade na apreensão cognitiva do mundo que o cerca. Antes que os gatólotras me massacrem, não estou querendo dizer com isso que os cães têm alguma superioridade em relação aos gatos. Essa é a segunda etapa do meu pensamento. Talvez os gatos, justamente por essa característica mais selvagem, preservem a inteligência que chamarei de instintiva, ou seja, aquela que faz com que os animais sobrevivam às intempéries da natureza. E os cachorros, com sua neurose peculiar, acabem com comportamentos “civilizados” notavelmente burros, como voltar sempre para o dono com uma lealdade cega mesmo quando maltratados (claro que isso também vai ter um limite, afinal toda neurose tem). Estendendo tal pensamento às pessoas, digo seres humanos, nós, penso que a hipótese também se aplica. Aqueles mais dotados de inteligência cognitiva acabam se adaptando muito bem à civilização e os que a possuem em menor escala, acabam preservando melhor a tal “instintiva”. Neurotizam menos, no entanto não são por isso pessoas melhores. Podia parar por aqui porque de fato só queria dividir essa idéia maluca, como outras tantas que tenho, que me ocorreu. Mas quero dizer ainda que pensei também, pelo menos por hora, que talvez fosse bem interessante pra gente (ser humano, nós) conseguir saber direitinho qual é o momento adequado pra usar a inteligência que civiliza e o momento necessário pra usar a inteligência selvagem, a instintiva. Pensei nisso pra mim. E acho que me cairia bem... em relação à Branca, Adriana tem um conflito a resolver. Ela quer a gata ao seu lado, civilizada, mas na verdade, na verdade, ela ama o espírito selvagem de Branca mais que tudo e se reconhece nele tantas vezes, não é amiga? Escrevi isso pra gente, babe. Te amo muito. Beijos

5 comentários:

Brighith disse...

Adorei. Parabéns pelo blog!
Passei por acaso por aqui.
Dê uma passada lá no meu e dê sua opinão, se se sentir a vontade, claro.
Beijos.

Paloma disse...

neuroso é tudo na vida de uma pessoa.. e agora vejo que de alguns animais tb.. hehehehe
adorei Ju... sua cara o blog!!
beijinhos

Pin Hole disse...

Foi ótimo falar com você ontem. bjs Carol

isasidney disse...

CONVITE:

Mil desculpas, por invadir seu blog, mas convido você a visitar a Editora Biblioteca24x7, que comercializa obras pela internet (edição on-line e impressa) e buscar, na seção de ERÓTICOS, esta obra:


LUA QUEBRADA

Um romance entre o professor e sua aluna. Banal? Não o jogo de sedução e erotismo de Lua Quebrada. Além de todas as convenções, do alto grau de entrega e do encontro de dois mundos tão diversos, há um sutil jogo de poder entre os protagonistas que põe em cheque a relação entre homem e mulher, entre tesão e amor e, principalmente, entre a razão das convenções sociais e o desafio de quebrá-las em nome de um sentimento ao mesmo tempo tão irracional e tão humano quanto a velha e boa paixão.

Autor: Isaias Edson Sidney

Publicação da Biblioteca24x7.

ISBN: 978-85-61590-45-1

Só disponível pela Internet, no endereço abaixo:

http://www.biblioteca24x7.com.br (ÁREA, à esquerda, clique em : ERÓTICO).

LUA QUEBRADA: PARA INCENDIAR SUA IMAGINAÇÃO!

Carrie disse...

ola, visite nosso blog e envie textos tb!
abçs